O transplante de pâncreas – uma cura para o diabetes tipo 1

Muitas vezes visto como uma cura possível para o Diabetes Tipo 1, o transplante de pâncreas é um procedimento de altíssima complexidade que, muitas vezes, é desconhecido do público geral. Então preparamos esse artigo, trazendo alguns dos principais aspectos envolvidos nessa cirurgia, para que você conheça um pouco mais do assunto.

Visão geral

O pâncreas é um órgão que fica atrás da parte inferior do estômago. Uma de suas principais funções é produzir insulina, um hormônio que regula a absorção de açúcar nas células.

Se o pâncreas não produz insulina suficiente, os níveis de açúcar no sangue podem subir muito, resultando em diabetes tipo 1.

Um transplante de pâncreas é um procedimento cirúrgico para colocar um pâncreas saudável de um doador falecido em uma pessoa cujo pâncreas não funciona adequadamente.

A maioria dos transplantes de pâncreas é feita para tratar o diabetes tipo 1. Embora um transplante de pâncreas ofereça uma cura potencial para esta condição, ele é normalmente reservado para aquelas pessoas com complicações graves de diabetes, porque os efeitos colaterais de um transplante de pâncreas podem ser significativos.

Um transplante de pâncreas também pode ser feito em conjunto com um transplante de rim em pessoas cujos rins foram danificados pelo diabetes.

Indicações

Um transplante de pâncreas pode restaurar a produção de insulina e melhorar o controle do açúcar no sangue em pessoas com diabetes, mas não é um tratamento padrão. Os efeitos colaterais dos medicamentos anti-rejeição necessários após um transplante de pâncreas podem ser graves.

Então, os médicos acabam considerando indicar um transplante de pâncreas para pessoas com:

  • Diabetes tipo 1 que não pode ser controlado com o tratamento padrão
  • Reações frequentes à insulina
  • Mau controle persistente da glicemia
  • Problemas renais graves
  • Diabetes tipo 2 associado a baixa resistência à insulina e baixa produção de insulina

Um transplante de pâncreas geralmente não é uma opção de tratamento para pessoas com diabetes tipo 2. Isso ocorre porque o diabetes tipo 2 ocorre quando o corpo se torna resistente à insulina ou incapaz de usá-la adequadamente, e não devido a um problema com a produção de insulina pelo pâncreas.

No entanto, para algumas pessoas com diabetes tipo 2 que apresentam baixa resistência à insulina e baixa produção de insulina, um transplante de pâncreas pode ser uma opção de tratamento. Cerca de 15% de todos os transplantes de pâncreas são realizados em pessoas com diabetes tipo 2.

Tipos de transplante de pâncreas

Existem vários tipos diferentes de transplantes de pâncreas, incluindo:

  • Transplante de pâncreas isolado . Pessoas com diabetes e doença renal em estágio inicial ou sem doença renal podem ser candidatas apenas a um transplante de pâncreas.
  • Transplante combinado rim-pâncreas . Os cirurgiões geralmente podem realizar transplantes combinados (simultâneos) de rim e pâncreas para pessoas com diabetes que têm ou estão em risco de insuficiência renal. A maioria dos transplantes de pâncreas é feita ao mesmo tempo que um transplante de rim.
  • Transplante de pâncreas após transplante de rim . Para aqueles que enfrentam uma longa espera para que um rim de doador e um pâncreas de doador fiquem disponíveis, um transplante de rim pode ser recomendado primeiro se um rim de doador vivo ou falecido estiver disponível. Depois de se recuperar da cirurgia de transplante de rim, a pessoa recebe um transplante de pâncreas assim que disponível.
  • Transplante de células de ilhotas pancreáticas . Durante o transplante de células de ilhotas pancreáticas, células produtoras de insulina (células de ilhotas) retiradas do pâncreas de um doador falecido são injetadas em uma veia que leva sangue para o fígado. Pode ser necessária mais de uma injeção de células de ilhotas transplantadas. Por enquanto, o transplante de células de ilhotas ainda está sendo estudado para pessoas com complicações graves e progressivas do diabetes tipo 1 e só pode ser realizado de forma experimental.

Riscos

Os riscos do transplante são infecção e rejeição de órgãos. A rejeição acontece quando o sistema imunológico do corpo ataca o novo órgão como um invasor “estranho”. Para reduzir as chances de rejeição, a equipe de saúde tenta combinar o tipo de sangue e tecido do doador de órgãos com a pessoa que receberá o transplante.

Após o transplante, os profissionais de saúde prescrevem medicamentos especiais que suprimem o sistema imunológico, como azatioprina e ciclosporina, para ajudar a prevenir a rejeição do novo pâncreas. No entanto, esses medicamentos tornam mais provável que as pessoas com um órgão transplantado contraiam infecções chamadas de oportunistas.

Infecções oportunistas são ****causadas por fungos, bactérias ou vírus, que acometem indivíduos com a imunidade baixa. Esses organismos, geralmente, não causariam doenças em pessoas com o sistema imunológico normal.

Com o tempo, os medicamentos também podem aumentar o risco de certos tipos de câncer. Por causa do maior risco de câncer de pele, por exemplo, é importante se cobrir e usar protetor solar. Se você fizer um transplante de pâncreas, deverá tomar medicamentos especiais enquanto tiver o órgão transplantado em seu corpo. Você também precisará de exames ao longo dos anos para ter certeza de que o transplante de pâncreas ainda está funcionando adequadamente. Também é essencial manter todas as suas consultas com o médico.

Sobrevivência a um transplante de pâncreas

As taxas de sobrevivência variam de acordo com o tipo de procedimento e o centro de transplante. Em geral, mais de 95% das pessoas sobrevivem pelo menos um ano após o transplante.

As taxas de rejeição do pâncreas tendem a ser ligeiramente mais altas entre os receptores de transplante apenas de pâncreas. Não está claro por que os resultados são melhores para aqueles que recebem rim e pâncreas ao mesmo tempo. Algumas pesquisas sugerem que pode ser porque é mais difícil monitorar e detectar a rejeição de um pâncreas sozinho versus um pâncreas e um rim.

Se o novo pâncreas falhar, a pessoa ainda pode retomar os tratamentos com insulina e então considerar um segundo transplante. Essa decisão dependerá da sua saúde atual, da sua capacidade de resistir à cirurgia e das suas expectativas de manter uma certa qualidade de vida.

Lista de espera

Atualmente, exitem mais pessoas que precisam de um pâncreas saudável do que o número de doadores. A espera por um pâncreas pode ser bastante longa – um levantamento recente junto ao Minsitério da Saúde indicava cerca de 400 pessoas na fila de espera por um transplante de rim e pâncreas, e outras 30 aguardando um transplante de pâncreas isolado.

Perspectivas após um transplante de pâncreas

As perspectivas de longo prazo para as pessoas que recebem um transplante de pâncreas são muito boas. As pessoas que recebem transplantes simultâneos de rim e pâncreas também tendem a ter menos chance de rejeição. Um resultado positivo a longo prazo depende de vários fatores, incluindo o controle da glicemia.


Informação segura e confiável deve ser divulgada!

Compartilhe com seus amigos! Basta clicar nos botões a seguir.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Imprimir
Email
Quem tem uma ostomia pode ter uma vida completa e feliz

Cadastre-se

receba gratuitamente informações atuais e relevantes para ajudar você a conhecer o Diabetes Tipo1 e conquistar mais qualidade de vida

Subscription Form_T1

2023 Tipo1® | Todos os Direitos Reservados